Você pode fazer a diferença!

Home » Doação de Órgãos » NOVA COLABORADORA – Enfermeira Natany Ferreira

NOVA COLABORADORA – Enfermeira Natany Ferreira

Com  muita alegria anunciamos hoje nossa primeira colaborado técnica, a Enfermeira Natany Ferreira! Natany já vivenciou a espera por um transplante mas pelo lado do profissional da saúde e vai compartilhar conosco um pouco da sua experiência. Além de contribuir esclarecendo algumas dúvidas muito comuns entre transplantados! Super bem vinda ao Time Soudoador Natany!!!! É uma honra contar com sua experiência e seu conhecimento!!!

NADA NA VIDA É POR ACASO – Por Natany Ferreira

Frase simples, mas com uma mensagem poderosa. O meu primeiro contato com pacientes com insuficiência cardíaca pode ser perfeitamente resumido nesta frase. Mas antes de começar a falar sobre minha experiência, vamos às apresentações. Meu nome é Natany, tenho 26 anos, sou enfermeira cardiologista e há 6 anos descobri uma das minhas paixões, o coração. Não esse que você leitor está acostumado a ouvir dizer que só faz as pessoas sofrerem. Aliás, importante esclarecer que quem faz você sofrer de amores é o cérebro então, trate de não culpar erroneamente o coração.

Agora que já fomos apresentados, vou contar um pouco da minha história. Início de 2011, eu, estudante de enfermagem que finalmente chega ao último ano de graduação. Mistura de felicidade, exaustão e medo do que me espera no futuro. Nesta fase da vida acadêmica de um profissional de saúde, a sociedade te cobra. Quando digo sociedade, me refiro a pais, irmãos, primos, que enxergam em você a pessoa mais habilitada para sanar todas as dúvidas sobre doenças. É neste momento que a cardiologia entra em minha vida.

Tenho a sorte de ter conhecido e convivido com pessoas muito especiais, e dentre elas, meu avô paterno. No auge dos seus 102 anos descubro que ele tinha uma doença muito particular, que deixava ele sempre com as pernas inchadas, com dificuldade para encontrar uma posição confortável para dormir. Sim, meu avô tinha insuficiência cardíaca. Para quem acompanha este blog, já sabe que a doença infelizmente não tem cura. Logo, já podemos deduzir o final desta história. Meu avô faleceu alguns dias depois que completara seus longos, e bem vividos, 103 anos.

Além da saudade que ele deixou, ganhei (digo isso porque para mim foi um presente sua existência e a saudade só fortalece o vínculo que tivemos) um ponto de interrogação em minha vida. O que é esta doença e como posso cuidar melhor das pessoas que a desenvolvem no decorrer da vida? Para ajudar a “matar” essa curiosidade que crescia cada dia mais, decidi fazer especialização em cardiologia. Sabe quando você tem orgulho de algumas decisões que tomou na vida? Esta com certeza é uma delas. Um ano de muito estudo, plantões e incansáveis horas em pé. Eis que 2013 chega com uma ótima notícia: consegui meu primeiro emprego, em um grande hospital cardiológico na cidade São Paulo. É nele que vivi as experiências mais lindas como enfermeira na espera de um coração junto com meus pacientes e, por que não amigos? A relação que criamos durante tantas internações diversas vezes extrapolou para o mundo fora do hospital. Acreditem: existe um mundo além de hospitalizações, procedimentos cirúrgicos, banhos no leito e tantos outros momentos delicados na vida de quem precisa ser internado.

Meu objetivo como colaboradora deste projeto é compartilhar experiências do ponto de vista do cuidador que tantas vezes foi um pai, uma mãe, um namorado(a), avô (ó), tio (a), e inclusive uma enfermeira que já organizou festas de aniversário surpresas e sessões de manicure para conseguir um sorriso de quem esperava por um milagre, uma nova chance de viver. Nada na vida é por acaso. E é por isso que hoje, depois de um ano e meio do transplante da Patrícia, a vida nos colocou de novo juntas, agora com o desejo de aprender juntas o desafio de um transplante.

Obrigada pela oportunidade e espero contribuir da melhor forma com este projeto.

NATANY FERREIRA – Diretora Científica do Departamento de Enfermagem da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP) do biênio 2016-2017. Membro do Grupo de Estudos sobre Diagnósticos, Intervenções e Resultados de Enfermagem (DIREnf) da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo desde fevereiro de 2013. Aluna de doutorado direto do Programa de Pós Graduação em Enfermagem na Saúde do Adulto (PROESA) da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP).

One Responseso far.

  1. Aurea Santos disse:

    Adorei a materia! Parabens!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *