Você pode fazer a diferença!

Home » Histórias de Transplantados » RESILIENTE GRATIDÃO (DOIS ANOS DE TRANSPLANTE DUPLO) – Por Ray Guatura

RESILIENTE GRATIDÃO (DOIS ANOS DE TRANSPLANTE DUPLO) – Por Ray Guatura

RESILIÊNCIA: Capacidade de se recuperar de situações de crise e aprender com elas. É ter a mente flexível e o pensamento otimista, com metas claras e a certeza de que tudo passa.

E com essa definição inicio esse texto, e venho falar sobre o que mais tenho praticado nos últimos anos, e sem essa capacidade com certeza não teria chegado a estes dois anos de transplante de pâncreas e rim, os quais completam aniversário na data de hoje (25 de fevereiro 2018).

É incrível, e já me enchem os olhos recordar aquela ligação às 4h30 onde atendi prontamente o meu telefone como se estivesse acordado naquele momento esperando aquela ligação e chegou!!! O maior dos presentes, a maior das doações de amor, os meus órgãos que me livraram de 17 anos de diabetes e pouco mais de 1 ano de Insuficiência Renal Crônica.

Posso dizer como diabético que aqueles anos não eram o fim do mundo já que em nada me limitavam, mas este é apenas o meu pensamento. Percebi e fui alertado que em algum momento meus rins não iriam dar conta e eu teria de entrar em hemodiálise, me preparei para este momento que chegou cedo e enfrentei de peito aberto e com toda a coragem. A mesma com que lutei para estar prontamente na fila de transplante e conseguir essa benção de Deus de forma que meu corpo não sofresse por tanto tempo.

Isso parece ser fácil, mas se chama Resiliência. E até chegarmos nessa fase, pode levar dias, semanas, meses enfim… Quanto mais rápido aceitar e entender que você está vivo, e pode lutar e ser mais forte do que este momento, mais rápido ele passará!

Acredite, ele passa e te faz mais forte! Muito mais forte…

E precisamente hoje, tenho de continuar sendo resiliente. A vida continua me testando e não é fácil. Há quatro semanas atrás em um treino de corrida, tive uma queda boba que ocasionou uma fratura no planalto tibial médio. Nos primeiros dias chorei, me desesperei e tive sentimentos negativos e está tudo bem, normal isso acontecer. Estava performando bem nos meus treinos, nos esportes e nas minhas atividades cotidianas, e a vida me dá uma fratura e um par de muletas que me pausam, porém, por um período momentâneo e passageiro, até que fui outra vez resiliente e aceitei, e pretendo sempre ser assim até os meus últimos dias.

É muito normal a tristeza, da mesma forma que a felicidade. É muito normal dias de dor e dias de glória, frios e quentes, de sol e de chuva. Porém, o que nos move é a capacidade resiliente de nos levantarmos, entendermos os propósitos da vida e aceitarmos os nossos fardos, pois Deus não dá nenhum maior do que nós não possamos aguentar.

O tratamento virá, a dor vai passar e a melhora irá chegar. Por isso acredite em você e seja resiliente, e que a nossa saúde, nossa fé sejam supremas em nossas vidas.

Penso hoje que a doação, caridade e a resiliência andam juntas resultando em sentimentos de gratidão. Tenho enorme agradecimento aos meus familiares, aos médicos e profissionais da saúde que passam pela minha vida e em especial, ao doador dos meus órgãos que rezo por este onde quer que esteja. Que Deus abençoe nesta data em que comemoro dois anos de transplante, os corações dos famíliares que tiveram o nobre gesto da doação de seu ente querido, e que este gesto se propague através de nossas histórias e aos poucos vamos incentivando a doação e zerando as filas e a ansiedade de tantos pacientes e familiares que também aguardam por um transplante de órgãos. Gratidão!

Rayrond Guatura – Transplantado Duplo (Pâncreas e Rim).

#transplanteduplo #resiliencia #superação #soudoador.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *