Você pode fazer a diferença!

Home » Histórias de Transplantados » A ligação mais esperada – Por Gabriel Navajas

A ligação mais esperada – Por Gabriel Navajas

 

Quando o telefone tocou na madrugada de 1º de maio de 2006, a sensação era de estar em um sonho. Quando a minha mãe me acordou para avisar que a chamada vinha da central de transplantes, foi difícil de acreditar. Difícil imaginar que o meu rim havia chegado. Era como ganhar na loteria. Parecia cena de filme. Sair da longa e demorada fila do transplante, naquele momento, nem passava pela minha cabeça. Comecei a contar os minutos para beber água novamente, sem culpa, depois que o telefone tocou.

Nos 17 meses anteriores à ligação do Hospital do Rim, a minha vida mudara completamente. Sessões de hemodiálise três vezes por semana, alimentação restrita, pouca ingestão de líquido… Dia a dia bem diferente do que eu, então com 25 anos, tinha vivido até ali. E não me lamentava por isso. Percebi que aquilo significaria muito mais do que uma nova rotina e mais cuidados com a saúde. Era um impulso que eu precisava para adotar novos hábitos mesmo durante o tratamento.

Foram 10 meses de licença do trabalho assim que fui diagnosticado com a doença autoimune que afetou os meus rins. Um período que aproveitei para descansar e me adaptar ao cotidiano casa-clínica, clínica-casa. Tentei tirar o de máximo de proveito a meu favor de toda a situação.

Sempre procurei levar o tratamento da melhor maneira, sem preocupações e lamentações. Acredito que tentar manter cabeça e espírito leves naquele momento tenha me ajudado bastante.

Eu fiz novos amigos, conheci coisas que mal sabia que existiam, matei a curiosidade dos amigos sobre o que é fístula, que deixa o braço vibrando e, mais do que isso, entrei em um novo mundo.

Um mundo que, mais tarde, me possibilitaria viver e sentir na pele (ou no corpo) a solidariedade e o amor pelo próximo, quando o telefone de casa tocou naquela madrugada.

Apesar de ter começado a nadar com frequência ainda durante o período da hemodiálise, motivado por um grande amigo, foi após o transplante que realmente intensifiquei essa atividade física. Era como se aquele rim me desse mais forças para entrar na piscina. A vontade e a disposição só aumentavam.

Graças à doação de órgãos de uma família que jamais conheci, continuo a fazer muitas das coisas que mais gostava e a me dedicar ainda mais em outras, como a natação. Sem falar na sensação inexplicável de poder cuidar de um rim novo, que se adaptou totalmente ao meu corpo.

Toda vez que termino um treino desde o transplante, tornou-se quase involuntário o gesto de passar a mão sobre o melhor presente que recebi na vida, como se fosse um  agradecimento por mais aquele momento. Um presente que só foi possível porque o meu doador falou à família sobre o desejo de espalhar a vida, de doar os seus órgãos.

Hoje, quase 12 anos depois do transplante, agradeço com muita emoção o que ele e seus familiares me proporcionaram, quando o telefone tocou naquela inesquecível madrugada de 1º de maio.

#TransplanteDeRim #DoeÓrgaos #DoeVida #SejaDoador #AviseASuaFamília #SouDoador.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *