Você pode fazer a diferença!

Home » Doação de Órgãos » Doação de Órgãos nas escolas – Por Patricia Fonseca

Doação de Órgãos nas escolas – Por Patricia Fonseca

De todos os lugares onde tive a oportunidade de falar em prol da causa da doação de órgãos, aquele que me mais toca são as escolas. Lá naquele ambiente de formação, discussão e aprendizado vejo no olhos de cada aluno a curiosidade e a vontade de compreender mais o tema. Ali não existem tabus, não existe preconceito, existe ciência. Vejo por experiência que para essa geração que está se formando é muito mais fácil compreender o significado da doação de órgãos. Para eles chega a ficar às vezes até meio “óbvio” e algumas vezes eles perguntam: “Mas porque alguém não doaria?”.

Essa experiência mostra que a inserção do tema “doação de órgãos e transplante” como obrigatória na pauta de discussão das escolas de todo o país se faz indispensável para a construção de uma cultura doadora.

Apesar de ostentarmos o maior programa de transplantes público do mundo ainda falhamos na tarefa de informar e conscientizar a população visto as taxas de 43% de negativa familiar à doação.

Grande parte das famílias que recusam autorizar a doação o fazem por não entender ou não conhecer o assunto e por não terem falado do tema em vida. Provocar a discussão do tema é esclarecer, desmistificar tabus, fortalecer o sistema nacional de transplantes, além de criar multiplicadores da causa, visto que as crianças e adolescentes são formadores de opinião em suas casas e levam o tema para o seio da família.

Mais do que isso, provocar a discussão é garantir o DIREITO DE DOAR a todo indivíduo e família brasileira. Doar não é um dever, muito antes um direito ao nosso último gesto de generosidade, como aponta Carmen Segovia (ex Coordenadora do Sistema de Transplantes Espanhol, referência no mundo). Informar é garantir a toda pessoa esse direito.

Lutar pela inserção do tema nas escolas é dar mais uma passo rumo à Cultura Doadora no Brasil.

Vamos chegar lá!

#conscientizacao #escolas #soudoadororg #podemosmais #doacaodeorgaos #transplante

 

3 Responsesso far.

  1. FRANCISCO SÉRGIO DA SILVA EVANGELISTA disse:

    Gostaria muito ser um DOADOR, infelizmente, há 6 anos passei por uma cirurgia cardíaca, é agora, eu acho que o meu coração não serve pra doar, mais posso doar os meus parabéns a vocês que fazem a diferença. Tô muito emocionado, vou para de escrever. Um abraço a todos. Vou pedir pra minha família ser doadores.

    • Olá Francisco! O mais importante é o gesto de ser doador, se o órgão tem condição para ser doado ou não vai ser uma equipe médica que um dia vai avaliar e decidir. Às vezes o que você acha que não está 100% é a única chance de vida de alguém! = ) Avise sim sua família e convide a todos a conversarem em casa e se declararem doadores! Um dia vocês farão a diferença na vida de muitas pessoas!! Muito felizes de receber seu parabéns! Grande abraço!!

  2. Mabel Coelho da Cruz disse:

    Muito importante a divulgação do assunto através da educação em saúde para toda sociedade. Se a doação fosse um assunto diário nas famílias brasileiras, nossos índices de recusa familiar não seriam tão altos. É emocionante você conversar com pessoas que são contrárias a doação e após serem expostas ao tema e esclarecidas as dúvidas, mudam de posicionamento e se declaram doadores. O poder de mudar essa história está nas mãos!!! Eu enquanto enfermeira, faço meu trabalho voluntariamente, levando sempre a informação com a certeza de que faço diferença para que doações um dia aconteçam mediante o meu esforço em falar para as pessoas.

    Enfermeira Mabel Coelho

Deixe uma resposta para FRANCISCO SÉRGIO DA SILVA EVANGELISTA Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *