Sou Doador » Blog » NGUÉM ESTÁ NO TOPO O TEMPO TODO- Por Luma Eccel

NGUÉM ESTÁ NO TOPO O TEMPO TODO- Por Luma Eccel

Lembro-me do dia em que tirei esta foto. Eu estava aprendendo a me adaptar com a hemodiálise.

Não me via bonita, sentia-me doente, magra demais, sem rumo e inúmeras perguntas sem
respostas atormentavam minhas noites sem sono. Vivendo um dia após o outro.

Aprendendo a conviver com as cicatrizes, como a fístula cada vez mais saliente no braço, que se desenhavam pelo meu corpo e que pareciam não pertencerem a mim,

Eu que era vaidosa com meus cabelos me acostumava aos poucos fios que suportaram as mudanças bruscas no organismo causadas pelo tratamento. A correria do dia a dia com aulas, trabalhos, viagens dava lugar a vazios que eu não sabia ainda como preenchê-los.

Diante dessa situação eu tinha duas alternativas: poderia ver só dor, negatividade, estresse e incertezas ou ver o mundo com olhos de gratidão, esperança e resiliência. A atitude precisava começar por mim.

Contratei uma profissional que fizesse fotos minhas ao ar livre com produção, cores e flores. Parece pouco, mas que diferença uma sessão de fotos, uma conversa amiga, um abraço, uma caminhada é capaz de fazer!

Sabemos que nem tudo são flores, mas como espalham por aí: “floresça onde Deus te
plantar”. Assim, quando eu menos esperava, meu organismo já estava adaptado à máquina, já sabia o que me fazia bem e o que precisava evitar.

O cabelo voltou a encher. Já não me constrangia ficar respondendo às perguntas a respeito da fístula no braço – era ela quem me mantinha viva, afinal. As horas de hemodiálise eram mais leves quando eu optava por aproveitar o tempo para ler, assistir séries e conversar com os companheiros de sala.

Virei “aluna especial” e terminei minhas aulas à distância. Fui paciente. Tudo fazia parte do processo e dependia do que eu gostaria de focar até meu tão esperado “sim” chegar.

A vida é essa montanha russa mesmo. Uma hora, estamos lá em cima e, de repente, caímos! Ninguém está no topo o tempo todo, mas devemos saber valorizar quem segura nossa mão e também os momentos em terra firme no parque tomando um sorvete.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.