Sou Doador » Blog » OS 3 GRANDES DESAFIOS NA CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS (DIA MUNDIAL DA ENFERMAGEM) – Por Bárbara Tamburim

OS 3 GRANDES DESAFIOS NA CAPTAÇÃO DE ÓRGÃOS (DIA MUNDIAL DA ENFERMAGEM) – Por Bárbara Tamburim

Nesses 7 anos de atuação com transplante de coração, aprendi que o primeiro desafio é o psicológico da equipe, pois há momentos difíceis de lidar, como as histórias que levaram a morte cerebral do doador. Na minha primeira captação, o doador era uma criança, recordo-me o quão emocionada fiquei: saber que uma família diante dessa situação conseguiu dizer SIM para quem lutava tanto pela vida.

O segundo desafio é o sigilo doador-receptor. Apesar da lei, muitas vezes isso acaba acontecendo através da mídia ou pelas famílias que descobrem.

Quantas vezes já deparei, ao entrar no hospital, com a família do doador extremamente emocionada e querendo saber para quem iria o coração?

O coração traz uma simbologia em relação às emoções e à própria condição de VIDA, é um órgão muito representativo. Entretanto, é importante que não haja contato da família que autorizou a doação e da pessoa/família que recebeu, uma vez que estarão vulneráveis às fantasias psicológicas o que pode causar situações de difícil solução.

Por fim, o terceiro desafio é a manutenção do órgão e distância entre o local de captação e de realização do transplante. Para cada órgão que é doado há um tempo máximo para que esteja implantado no receptor. O coração, por exemplo, é o primeiro a ser retirado e o que tem menor tempo e, em 4 horas, deve estar implantado no receptor.

Reconhecer a magnitude do que é o processo de transplante de órgãos é fundamental, afinal estamos falando de situações que impactam a todos.
Infelizmente, ainda perdemos muitos órgãos devido a questões clínicas/manutenção do doador pela baixa disponibilidade de transporte efetivo e distância. Trabalhar como enfermeira em transplante é desafiador, é algo que sobrepõe nossas emoções, afinal salvamos em média 8 vidas com um sim!

Bárbara Reis Tamburim é Enfermeira mestre em Ciências pela FMUSP e com pós-graduação em Cardiologia UNIFESP. Instrutora de ACLS, enfermeira referência do Programa de Cuidados Clínicos de Insuficiência Cardíaca e Transplante Cardíaco.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.